segunda-feira, 9 de julho de 2012

Síndrome do Panico

A Síndrome do Pânico também é conhecida como distúrbio ou transtorno do pânico, cujo nome científico é "Ansiedade Paroxística Episódica", é um tipo grave de ansiedade que acomete de 2 a 4% da população mundial. É um tipo de ansiedade potencialmente incapacitante porém pode ser controlada com o tratamento específico. O ataque de pânico é um de intenso medo e desconforto, geralmente repentino e durando não mais que 30 minutos A diferença mais notável em relação aos outros tipos de desordens de ansiedade é que os ataques de pânico são repentinos, parecem não ser provocados, e são geralmente desabilitantes. Uma crise de ataque de pânico é geralmente categorizada como um ciclo vicioso no qual os sintomas mentais elevam os sintomas físicos, e vice-versa. Sintomas: * Freqüência cardíaca acelerada ou palpitações. * Transpiração. * Dores no peito. * Tontura, náusea. * Formigamento ou falta de sensibilidade nas mãos, face ou boca. * Sensação de estar sonhando ou distorções de percepção. * Percepção de que não está conectado ao corpo. * Terror, sensação de que algo inimaginavelmente horrível está prestes a acontecer e que não tem poder para prevenir. * Medo de perder o controle e fazer algo embaraçador ou ficar louco. * Medo de morrer. * Tremores. * Choro. * Sensação de peso. * Diálogo interno alto. * Exaustão. Transtorno de Panico com Agorafobia: A agorafobia é uma complicação freqüente no transtorno de pânico, onde todas as situações temidas têm em comum o medo de passar mal e não ter socorro fácil ou imediato. Relato de alguém com Síndrome do Panico: "De repente os olhos embaçaram, eu fiquei tonto, me senti meio fora da realidade, comecei a ficar com medo daquele estado, eu não sabia aonde ia parar, eu não sabia por que..." ...era uma coisa que parecia sem fim, as pernas tremiam, eu não conseguia engolir, o coração batendo forte, eu estava ficando cada vez mais ansiosa, o corpo estava incontrolável, eu comecei a transpirar, foi horrível..."

FOBIA

Medo acentuado e persistente, excessivo ou irracional, revelado pela presença ou antecipação de um objeto ou situação fóbica. Sintomas Físicos: Palpitações, tontura, sudorese, tremores; Sintomas Comportamentais: Esquiva, fuga ou congelamento; Sintomas Subjetivos: Emoções como medo, raiva, depressão e pensamentos catastróficos Fobias especificas: São fobias restritas a situações ou objetos específicos, como certos animais, altura, trovão, escuridão, espaços fechados, visão de sangue, entre outros. 1 .Tipo Animal (ex: zoofobia, aracnofobia, etc.) 2. Tipo ambiente natural (ex: alturas, tempestades, água, etc.) 3. Tipo sangue-injeções-Ferimentos 4. Tipo situacional (ex: aviões, elevadores, lugares fechados, etc.) 5. Outros tipos (ex: engasgamento, vômito, doenças, ruídos altos, etc.) - Estes pacientes estão livres dos seus sintomas se não estiverem em contato com o objeto , eles tem consciência que estes medos são irracionais e sem sentido ou seja que não oferecem perigo real. Ex: Thais Alves longe de bexiga, igual a longe para ela do perigo. Tratamento: O tratamento mais utilizado tem sido a terapia comportamental aliada a remédios, como antidepressivos e tranqüilizantes. Resumidamente, as técnicas utilizadas requerem exposição do sujeito ao estímulo fóbico, de forma gradual e bem controlada, de maneira a produzir a extinção da reação exagerada de medo.